quarta-feira, 28 de julho de 2010

Condição da mulher na sociedade islâmica dos oásis egípcios

É mais ou menos sabido pela sociedade ocidental que a forma como o Islão trata as suas mulheres não é a melhor. No entanto, apesar de haver sociedades islâmicas em que a mulher já tem um papel importante e reconhecido na sociedade, há outras sociedades com tradições ancestrais muito enraizadas e onde o papel da mulher na socidade é, no mínimo, estranho aos nossos olhos.
Os valores culturais entre a sociedade ocidental e a egípcia, especialmente a dos oásis, estão em patamares opostos. Aqui, uma mulher que não se cubra, incluindo a cabeca, é vista como tendo uma atitude provocatória. Seria o equivalente a percorrer as ruas das nossas cidades em roupa interior. Como tal, a maioria dos homens egípcios encaram a forma descontraída e desportiva de como as mulheres ocidentais se vestem como um convite sexual. Qualquer mulher ocidental que percorra as ruas sozinha arrisca-se, no mínimo, a ser assediada sexualmente e mesmo a ser apalpada. Como tal, não é fácil para uma mulher sozinha viajar no Egipto. São vários e mirabulantes os testemunhos das mulheres que sofrem diversas formas de assédio por terras faraónicas. As viagens de autocarro resumem-se a horas intermináveis em que os homens as apalpam e elas não se podem queixar. Queixar a quem? Para todos os homens, foram elas que provocaram. Para as outras mulheres, é uma benção as estrangeiras estarem aqui. Sentem-se menos pressionadas pelos homens e, por muita compaixão que sintam, nunca se atraveriam a dizer algo. Apesar de intolerável aos olhos do ocidente, estes comportamentos por parte dos homens está inserido num legado cultural centenário onde a mulher continua a ser uma propriedade (primeiro do pai e depois do marido).
Se o tipo de comportamento "normal" numa sociedade como a egípcia é assim, desde os locais mais turisticos até aos mais remotos, nestes últimos as coisas podem atingir proporções muito mais graves.
Nos dias que passamos nos oásis do deserto, pudemos aperceber-nos de práticas que aqui ocorrem com as mulheres e que muito nos chocam. Enquanto estavamos em Siwa reparamos que durante o dia as mulheres raramente saem a rua e quando o fazem andam sempre acompanhadas de um homem, seja ele filho, marido ou pai. É muito comum vermos mulheres a serem transportadas em carroças conduzidas por crianças (do sexo masculino) com cerca de 4 - 5 anos. Todas elas vestem roupas largas, tapam a cara de preto e não conseguimos ver nenhuma parte do seu corpo. Não sabemos se são jovens ou velhas, se são bonitas ou feias... Têm, inclusive as mãos cobertas por luvas. No entanto, o que mais choca é a sua atitude de completa submissão. Olham para o chão. Viram a cara tapada para onde não há ninguém e nunca falam. E incomodativo ver a sua situação.
Siwa é conhecida por ser uma sociedade muito fechada com tradições muito firmes, no entanto, quando chegamos a Baharyia apercebemo-nos que ainda havia muito pior. Na noite em que estavamos à espera do autocarro para Daklha apercebi-me de uma mulher com a cara completamente desfigurada. Quando entramos no autocarro vi outra. Até aqui o meu subconciente nada me disse mas no fundo achei estranho.
Uma vez dentro do autocarro tivemos outro problema. A viagem era nocturna e mal os homens me viram entrar começaram a dividir-se individualmente pelos bancos para que eu fosse obrigada a sentar-me ao lado de um deles. Senti-me como uma presa a ser atirada a um bando de leões. Olhei para o Rui e disse-lhe que nunca me sentaria ao lado de nenhum deles. Ou iamos os dois no mesmo banco ou os dois sentados no chão. O Rui discutiu com o homem do autocarro e nada se parecia resolver. Nenhum homem estava disposto a mudar de lugar. De repente olho e vejo todas as mulheres a olharem para fora como que evitando o contacto visual comigo. No entanto, uma delas olha-me nos olhos e faz sinal para eu me submeter. Quando olhei com atenção vi o seu rosto exposto à luz da lua e completamente deformado. O meu corpo gelou. Gelei de cima a baixo. Naquele momento vi claramente aquilo que tantas vezes tinha pesquisado na internet - os crimes de honra. Não é normal haver três mulheres com o rosto completamente queimado e desfigurado num autocarro nocturno. Lembrei-me dos livros que li (inclusive o Queimada Viva) e das fotografias que vi na internet. Fiquei petrificada. Estas mulhere sim, são obrigadas o mostrar o rosto. São exemplos para todas as outras do que a desobediência ao homem pode provocar.
Entretanto o Rui conseguiu lugar para nós lado a lado. Encaixo-me num cantinho do autocarro. Cubro-me toda. Estão seguramente mais de 40 graus e eu visto mais uma camisola de manga comprida, enrolo-me com o lenco. Tapo-me com a mochila. Todos os homens olham para mim com um ar predador. A viagem demora a noite toda e eu não consigo pregar o olho enquanto cruzamos o deserto a caminho de mais um oásis.
Durante a viagem lembro uma conversa do dono do hotel. As raparigas de Baharyia são vítimas de Mutilação Genital Feminina aos 9 anos. A excissão deixa-as sem qualquer tipo de prazer sexual para o resto da vida. Esta práctica, ao que parece está muito enraizada por aqui e os homens utilizam a frigidez das suas mulheres como desculpa para assediarem as mulheres estrangeiras. Que mundo estranho este em que vivemos! Com toda a diversidade cultural existente por vezes encaramos situações que aos nossos olhos são, claramente, crime, mas aos olhos de outra sociedade são manifestações culturais. A mulher é uma propriedade. Não posso esquecer isso. É isso que regula a vida por aqui e é isso que dita os actos da população. O que aos meus olhos é estranho, nojento e repugnante, não passam de raizes culturais.
Para trás deixei ficar um bocado do meu medo. Na paragem do autocarro ficou Julia, a canadiana que viaja sozinha, e espera o autocarro da uma e meia da manhã para o Cairo. Tem vinte e um anos. Foi apalpada na viagem do Cairo para Baharyia, foi vitima de assédios sexuais constantes por aqui e, o dono do hotel onde ficamos chegou inclusive a entrar-lhe no quarto e a fechar a porta. Este mesmo dono montou mil e um esquemas para que ela não tivesse grande mobilidade e tenta persegui-la. Julia espera sentada com o filho do dono do hotel pelo autocarro que só chegará daqui por uma ou duas horas. Quando saí apertei-lhe a mão e disse-lhe "stay safe, please". Até agora ainda não soube nada dela. Espero que me responda ao email que ja lhe enviei há dois dias. Sinto o coração angustiado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...